Pesquisar neste blogue

A carregar...

quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

Ética e o Desporto

Numa sociedade como a actual, onde as referências e os valores escasseiam, onde cada vez mais convivemos com fenómenos de racismo, xenofobismo, guerras, violência, onde os princípios éticos são com frequência desrespeitados, e se quebram os princípios da igualdade de direitos e a garantia ao acesso a uma vida digna, torna-se imperioso reflectirmos sobre as questões relacionadas com a ética e o fair –play, nos mais diversos contextos, sobretudo no mundo do desporto, no qual certamente poderemos deixar o nosso contributo.

As referências, valores e princípios éticos escasseiam e os atletas de alta competição representam uma referência para os mais jovens, logo a luta contra a dopagem, a defesa de um desporto limpo torna-se essencial para esses atletas e o desporto em si continuar a ser visto como uma escola de virtudes na educação dos mais jovens.

Tal como nos diz Richard Osborbe “a Sociologia explica o que parece óbvio a pessoas que pensam que é simples, mas que não compreendem quão complicado é realmente". E falar de Ética é bastante difícil. Conseguir mudar comportamentos, respeitando os princípios da ética desportiva, por parte de todos os intervenientes na acção desportiva exige uma grande convergência cívica educativa e cultural pois a ética mexe com os valores de cada um e da sociedade em geral, logo, não se muda de um dia para o outro, nem com facilidade. 

Perfil dos Profissionais de Educação Física

O perfil do profissional de educação física tem sofrido alterações ao longo dos tempos, desenvolve-se na tentativa de acompanhar as sociedades, ou seja, os objectivos, as necessidades e crenças, no esforço de corresponder às expectativas sociais criadas em torno dos mesmos.
 Com as mudanças implementadas na sociedade, o profissional de educação física de forma a corresponder às suas necessidades e expectativas, sentiu-se na indigência de alargar e tornar o seu espectro mais abrangente, com funções mais amplas e transversais, onde as suas responsabilidades cívicas transcenderam os processos meramente pedagógicos, o professor ensina e o aluno aprende, proporciona à sociedade uma vastidão de conhecimentos de elevada importância no desenvolvimento do meio social, neste aspecto surge por exemplo a educação para a saúde e/ou o desenvolvimento de actividades com a terceira idade de entre outros contextos em que actua, isto por um lado, noutro sentido transporta para o seu trabalho as características socioculturais do meio envolvente, por exemplo perceber que um aluno na Nova Zelândia se interessa mais por râguebi e uma aluna na Rússia por ginástica.
A aquisição deste perfil “multifacetado” nas demais áreas de actuação das suas funções, o profissional de educação física pode e deve de intervir de forma diversificada consoante os contextos e possibilidades encontradas favorecendo sempre as dinâmicas sociais presentes e expectáveis. 

terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Teorias da Aprendizagem Humana


O mundo de hoje tem a oportunidade de utilizar as novas tecnologias como forma de favorecer o sistema educativo, tornando mais eficiente a transmissão de conteúdos escolares e então a apreensão de novas aprendizagens dos alunos. É necessário desde logo conhecer os factores relevantes e essenciais que favorecem a aquisição de conhecimentos ao ser humano, como se processa a sua aprendizagem, assim se pode utilizar de forma adequada a pertinente as tecnologias para ir ao encontro da especificidade do ser humano enquanto ser racional.

Existem inúmeras formas das pessoas aprenderem, no entanto nem todas as pessoas ‘aprendem melhor’ da mesma forma, ‘não há receitas’, pode-se sim contactar e enumerar alguns factores transversais que favorecem a aprendizagem humana como forma de ‘guiar’ o ensino que lhes é facultado.

A transmissão de ideias e conteúdos pode ser feita de inúmeras formas, os alunos captam esses estímulos através dos seus órgãos sensoriais, que no entanto sabe-se que têm capacidade limitada nessa captação bem como no seu processamento e armazenamento em termos mentais. Cria-se assim a necessidade de seleccionar e conjugar as informações mais pertinentes a serem apresentadas, de forma a garantir uma maior eficiência do processo de ensino – aprendizagem, onde os alunos captam, processam e apreendem aquilo que se pretende da forma como se pretende, é aqui que as novas tecnologias podem e devem de ser bastantes úteis ao serviço dos professores, visto que permitem favorecer a qualidade dos ensinamentos propostos, das ideias expostas, dos estímulos e sua organização que são apresentados.

Antes de tudo devemos de saber em primeiro lugar o que é que vamos querer ensinar? Os fins portanto, depois os meios que posso utilizar para atingir esses fins? E ainda a que se destina esse processo? São um conjunto de interrogações que devem desde logo ser respondidas com intuito de formular o processo de aprendizagem. Assim podemos afirmar que cada processo de ensino criado, cada forma de ensinar, cada meio criado para o fazer é algo único! Pois dependendo do contexto, meios disponíveis e população alvo, será único um método que é mais adequado e então especifico, para facultar as aprendizagens pretendidas.

Em termos de experiencias pessoais posso dizer que a objectividade e clareza nos conteúdos apresentados são a base para um maior interesse, percepção e interpretação desses conteúdos por parte dos alunos. Em muitos momentos me revejo enquanto aluno, quando se fala em falta de objectividade e perceptibilidade das matérias leccionadas pelos professores aos seus alunos, que então não entendem ou demoram a entender os conteúdos das aulas, para mim a simplicidade e nitidez como são leccionados esses conteúdos constituem um importantíssimo factor de êxito educativo, onde os alunos de imediato relacionam os conhecimentos apreendidos, com outros anteriores mas obviamente menos complexos, formulam e estruturam as suas ideias e estruturas mentais e, mais eficientemente apreendem as matérias e conceitos importantes.

AS PRINCIPAIS TEORIAS DA APRENDIZAGEM

Behaviorismo; realça o comportamento do indivíduo perante um estímulo, onde são importantes as condições a que o levam a essa resposta, é nessa relação que preside a aprendizagem. Joga-se com os reforços, incentivos e punição de forma a conduzir as respostas para as pretendidas, é assim regida esta teoria por estes princípios de intervenção externa. Em termos de sistema educativo proporciona o desenvolvimento de currículos bem estruturados como forma do seu seguimento e práticas mecanizadas no processo de ensino, onde que quando uma qualquer aprendizagem requer processamentos mentais mais complexos, em que só pelo reforço e prática repetitiva não é o mais eficiente método para resolver essas questões.

Teorias cognitivas ou construtivismo; o sujeito relaciona-se com o exterior, captando os estímulos onde formula as suas próprias ideias e pensamentos, conjuga os novos conceitos com as aprendizagens anteriormente adquiridas e estruturas cognitivas já formuladas. Assim os princípios que regem esta teoria são o relacionar os estímulos novos com o indivíduo, suas experiencias anteriores e necessidades que tem (expectativas), onde este compreende e é motivado por esta relação que ele próprio estabelece. Em termos de educação a metodologia a utilizar segundo a presente teoria seria a aquisição de conhecimentos por descoberta guiada, compreendendo os valores e expectativas dos alunos e orientar o ensino para eles onde que os alunos fazem parte activa no seu processo de ensino – aprendizagem.

Teorias Humanistas; dão grande importância ao desenvolvimento dos alunos como seres humanos, enquanto formação pessoal e personalidade própria, onde as suas crenças e necessidades sustentam grande relevo em como devem de aprender, de forma individual, favorecendo-os emocionalmente, realçando a sua autonomia e auto-avaliação. Em termos de sistema educativo deverá existir um favorecimento ao ensino individualizado, com espaço para a resolução de problemas e sua avaliação em cada aluno, sendo eles a parte central no processo de ensino onde discutem e debatem criticamente os demais temas e ideias abordadas.

Todas estas abordagens à aprendizagem humana têm alto-relevo na criação de ideias em como entender as TIC como forma de meio de ensino, assim deve-se enaltecer que o mais importante é perceber o que é relevante para os indivíduos/alunos que vamos ensinar/educar, de forma a focar a sua atenção nos aspectos relevantes, pois só eles devem de ser apresentados sob forma de evitar desvio da atenção para elementos que não dizem respeito à especificidade das aprendizagens em questão. Assim as tecnologias devem de ser usadas como forma de permitirem essa associação e relevância de ideias e conceitos chave, para motivar e captar a atenção dos alunos, prestando serviço ao processo de ensino de forma útil, favorecendo os professores na eficiência da leccionação das suas aulas.

As TIC na Educação Física escolar

As TIC constituem um conjunto de potencialidades que podem favorecer o sistema educativo escolar, na medida de proporcionar aos alunos formas mais adequadas de aprendizagens nos demais conteúdos escolares. Assim é de extrema importância os docentes saberem utilizar correctamente e convenientemente as TIC no contexto educativo, favorecendo o sistema de ensino com vista às necessidades dos alunos e apresentação e organização dos demais conteúdos a leccionar.

No caso da Educação Física um factor de grande importância para o sucesso dos alunos tem a ver com a motivação e percepção de competência nas tarefas realizadas, onde as TIC constituem um útil e adequado meio para poder-se chegar a esse fim, o sucesso. Aos alunos requer-se muitas vezes o saberem executar as demais habilidades motoras leccionadas, onde as TIC podem contribuir para melhor exemplificar e percepcionar o que se pretende, devido ao maior numero de informações disponíveis, bem como as suas mais variadas formas, em que a conjugação disponível de texto, vídeos, imagens… podem constituir diversas formas de apresentação/instrução facultadas pelo professor, como também se pretende na Educação Física que os alunos apreendam teoricamente os critérios de êxito nas demais matérias leccionadas, em que com as TIC se consegue mais facilmente instruir os alunos acerca desses conteúdos. Assim as TIC na Educação Física, minha disciplina, são usadas como forma de melhor apresentação e estruturação dos conteúdos teóricos, como por exemplo a apresentação de vídeos, imagens e textos relacionados e conjugados com fim à explicação de um qualquer conteúdo escolar, também em termos práticos podem ser usadas execuções exemplares de atletas com forma demonstrativa nas diversas modalidades desportivas, onde os alunos podem mais eficientemente e correctamente apreciar essas execuções.

As TIC têm vindo a ter grande impacto na Educação Física, actualmente é possível abordar qualquer tema e modalidade desportiva onde os alunos têm facilmente acesso a visualizar esquemas, representações, vídeos, imagens, noticias, debates etc. nas aulas e fora delas, existindo uma maior divulgação social desses conteúdos que são abordados e requeridos nas aulas, o que vem suscitar mais interesse e motivação aos alunos, na medida de corresponderem com os objectivos propostos nas aulas. Assim com o avanço das tecnologias é facilitado o trabalho de pesquisa aos alunos, o trabalho de demonstração e apresentação dos conteúdos aos professores.

Os professores e alunos conseguem hoje em dia conjugar diversos materiais e formas de tecnologias modernas que os possibilitam estruturar melhor os conteúdos a leccionar, visualizar de forma mais específica, adequada e clara todas as habilidades e critérios que, na teoria como em execuções práticas conseguem ser mais coerentes e precisos. Os alunos por si só podem aceder a diversas formas de ensino, fora e dentro do contexto de aula, como forma de complemento a algum assunto menos bem esclarecido pelo professor, utilizando por exemplo todos os recursos disponíveis na internet, também o professor deve ‘aproveitar’ este meio de ensino para potenciar as aprendizagens dos seus alunos, com tarefas de casa, onde os alunos são solicitados a pesquisar e aumentar o seu interesse pessoal nos demais temas abordados nas aulas.

Utilizando as TIC os professores podem complementar as actividades propostas aos alunos em relação às que se faziam tradicionalmente, na medida em que devem facultar novas formas e recursos de aprendizagem com vista à melhor adequação ao contexto envolvente e características das turmas. O que se sucede normalmente, com o aparecimento das novas tecnologias, é que os recursos e estratégias de ensino disponíveis conseguem superar as tradicionais, então existe muitas vezes uma substituição destas, onde os objectivos a ter e conteúdos abordados são os mesmos, mas devido ao seu uso constituir uma mais-valia educativa, é mais eficaz, pois bem, as actividades propostas muitas vezes vêm a ser diferentes.

As mais-valias educativas com o uso das TIC na Educação Física consistem na melhor exemplificação das matérias e tarefas leccionadas, de forma mais clara e objectiva, mais diversificada, onde que desperta mais interesse e motivação aos alunos, que dispõem facilmente de muitas e variadas informações de forma autónoma, em que o professor dispõe de mais e melhores recursos educativos para formular estratégias adequadas às características do contexto em que lecciona e dos seus alunos.

O uso das TIC vem inovar a forma do ensino típico da Educação Física, pois aumenta as possibilidades de acção nos diversos recursos educativos, por parte do professor e dos alunos, disponibiliza grande e variado numero elementos informativos, que podem e devem de ser consultados/usados pelos agentes do sistema educativo a fim de melhorar as condições e intuitos do processo ensino – aprendizagem. Assim a cultura de ensino e aprendizagem encontra-se em fase de grande mudança relativamente ao que tipicamente era feito, com as possibilidades de acção a aumentarem por parte dos agentes educativos, com o uso das TIC, que de forma adequada devem de ser usadas pertinentemente, onde é fundamental os professores conhecerem essas possibilidades de acção, saberem manejar esses recursos de forma correcta e adequada ao melhoramento do processo de ensino.